sexta-feira, 10 de agosto de 2012

O Brasil que é negado


O Brasil é composto por, aproximadamente, 180 milhões de brasileiros. Deste total, quase metade é composta por negros. Mas isso não se reflete quando falamos em acesso a bens e serviços, a universidades entre outros.



Por quase quatro séculos, os negros foram submetidos ao trabalho escravo e tratados como mercadoria, além de serem considerados uma raça inferior. Sem direito, sequer, de exercer a sua própria religião.
 Todo este contexto criou uma imagem e alguns preconceitos contra o negro, que ele só serve para o trabalho pesado, não lhe dando oportunidade para sua promoção e ascensão social e cultural. Além disso, negam toda a contribuição trazida da África para a formação da nossa sociedade como nas áreas de literatura, culinária, artes e cultura em geral.

A perpetuação desses valores morais e sociais sobre o negro durante todo o período da escravidão, bem como a negação da sua contribuição para a formação da sociedade brasileira, fez com que os negros sejam excluídos de várias maneiras.
Através das piadas pejorativas, na hora uma seleção para uma vaga no mercado de trabalho e dos ciclos de amizade. Estas são algumas formas de manifestação do racismo e do preconceito.


 Até mesmo na educação, o negro é pouquíssimo representado. São apenas 2,5% nas universidades, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Esta pouca representação é resultado da grande evasão escolar dos negros nos anos iniciais de seus estudos. Por conta da condição social em que se encontram, já que, entre os pobres, o negro é a maioria absoluta. Além, é claro, da péssima qualidade de ensino público brasileiro.

Portanto, torna-se urgente a aplicação efetiva das Políticas Públicas de Ações Afirmativas no Brasil para que possamos minimizar as condições de desigualdade e exclusão, às quais os negros estão submetidos. Sabemos que estas políticas não resolverão todas as questões, mas já é um começo para pensar nestas situações de inferioridade social, cultural e educacional.

Não podemos mais esperar e ficar olhando passivamente para esta realidade. Temos que ter um Brasil com oportunidades iguais para todos, brancos e negros. Onde possamos viver em harmonia com o semelhante, não importando a cor da sua pele.


4 comentários:

  1. Belo texto Adeildo Vila nova,parabéns pela sua luta
    em favor de uma causa social tão nobre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado meu amigo.
      Essa eh uma pequena contribuicao para o debate sobre a questao racial no Brasil. Eh muito bom poder contar com voce nessa caminhada.
      Grande abraco.

      Excluir
    2. Muito obrigado meu amigo.
      Essa eh uma pequena contribuicao para o debate sobre a questao racial no Brasil. Eh muito bom poder contar com voce nessa caminhada.
      Grande abraco.

      Excluir
    3. Muito obrigado meu amigo. Sao algumas reflexoes e contribuicoes para o debate sobre a questao racial no Brasil.

      Um grande abraco!

      Excluir