sábado, 29 de setembro de 2012

AFROSAN discute Orientação Sexual e Identidade de Gênero


Cursinho Pré-Vestibular da Associação Cultural dos Afro-Descendentes da Baixada Santista recebe o Consultor Técnico do Instituto Joana D’Arc para discutir a questão da Orientação Sexual e Identidade de Gênero com seus alunos na aula de Educação para a Cidadania.

Luiz Eduardo dos Santos
Instituto Joana D'Arc
A questão da Orientação Sexual e de Identidade de Gênero é um tema que requer muitas discussões e reflexões sobre a Comunidade de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais, Travestis e as demais formas de identidade de gênero e como essa condição os colocam em condições de vulnerabilidade social e de violação de direitos.

O consultor técnico do Instituto Joana D’Arc, Luiz Eduardo dos Santos, nos apresentou conceitos como homossexualidade, heterossexualidade e bissexualidade, que  foram amplamente discutidos e refletidos com os alunos que estavam super interessados  no tema. A questão dos travestis e transexuais também foi abordada durante a atividade.



Luiz Eduardo, alunas e José Ricardo,
presidente da AFROSAN
O consultor técnico Luiz Eduardo explicou a diferença entre o sexo cromossômico e o sexo social, ou seja, a diferença entre o que somos definidos de acordo com a nossa genética, se masculino ou feminino, e o que a sociedade espera de nós como homens e mulheres. Que comportamentos são esperados de alguém do sexo masculino e de alguém do sexo feminino. Nem sempre esses comportamentos  correspondem às expectativas da sociedade heteronormativa, a sociedade onde as normas são construídas como se só existisse a heterossexualidade, desconsiderando as demais orientações sexuais e identidades de gênero.


Roda de Conversa com Luiz Eduardo, alunos do Cursinho
Pré-Vestibular e Diretoria da AFROSAN
Falar sobre orientação sexual e identidade de gênero é falar sobre nós mesmos, sobre a nossa identidade. Por que somos homens ou mulheres? O significa ser homem ou ser mulher na nossa sociedade? Como nos relacionamos sexualmente com os outros? O que isso pode trazer de prejuízos para a nossa vida? No que isso interfere na minha qualidade de vida, no meu desenvolvimento social, na minha saúde? Como ser quem somos em uma sociedade que não aceita o diferente do padrão heteronormativo? Questões como essas nortearam a discussão do tema.

Luiz Eduardo finalizou sua apresentação dizendo que todas essas definições e conceitos são muito importantes para o construção e desenvolvimento de políticas públicas de qualidade para o atendimento dessa população. Que tudo isso serve pra gente aprender sobre a sociedade em que vivemos. Mas o mais importante nisso tudo, no dia a dia, na vida real, é como vou me relacionar com as pessoas, com suas diferenças e com suas particularidades. 
As pessoas vão continuar falando opção sexual ao invés de orientação sexual, mas agora que já sabem que existe a palavra orientação, não podem ignorá-la, enfatizou o consultor técnico.

Palestra sobre Orientação Sexual e
Identidade de Gênero
Os alunos participaram ativamente das reflexões e dos debates propostos. Essa temática dá prosseguimento aos diversos temas que estão sendo tratados nas aulas de Educação para a Cidadania, disciplina integrante da grade curricular do Cursinho Pré-Vestibular da AFROSAN e acontece quinzenalmente na Escola Edméa Ladevig, sito à rua Bahia, 49, no Gonzaga , em Santos/SP, por meio de uma parceria entre a AFROSAN e a Secretaria Municipal de Educação de Santos, onde o espaço é cedido para a realização das aulas.

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Seminário discute Segurança Pública e Direitos Humanos

Entidades de defesa dos Direitos Humanos, Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e Defensoria Pública do Estado de São Paulo discutem a relação entre Segurança Pública e Direitos Humanos na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), campus Baixada Santista.

Eu e a assistente social Cíntia,
do CRESS/Seccional Santos
Com o título "I Seminário sobre Segurança Pública: 'Direitos Humanos para Todos'", no dia 19 de setembro de 2012, a comunidade acadêmica e comunidade em geral teve a oportunidade de refletir sobre a questão da Segurança Pública e a sua relação com os Direitos Humanos. A atividade contou com a presença de renomados profissionais em suas respectivas áreas de atuação. O período da tarde, coordenado pelo defensor público Thiago Santos de Souza, contou com a presença da defensora pública de São Paulo Fabiana Botelho Zappata, do coronel da Polícia Militar do Estado de São Paulo (PM/SP) Luiz Eduardo Pesce Arruda e do advogado Renato Santos de Azevedo, que substituiu o advogado Hédio Silva Júnior, ex-secretário de Estado de Justiça e de Defesa da Cidadania de São Paulo. O período da noite foi coordenado pela professora da UNIFESP/BS Raiane Patrícia Severino Assumpção e teve como palestrantes o procurador do Estado de São Paulo Thiago Farah Reis, o representante da Polícia Civil Carlos Alberto da Cunha e da pesquisadora do Núcleo de Estudos sobre a Violência da Universidade de São Paulo (NEVUSP) Maria Gorete Marques de Jesus.

Rodrigo Farah Reis
Procurador do Estado de SP
Carlos Alberto da Cunha
Representante da Polícia Civil
No período da tarde, o defensor público Thiago abriu o seminário deixando a seguinte afirmação: a culpa da violência não é dos Direitos Humanos. O clima tenso e o embate norteou todo o seminário, tanto no período da tarde, quanto no da noite. O coronel Arruda fez uma explanação sobre a PM/SP dizendo que a sua missão é de proteger as pessoas, fazer cumprir as leis, combater o crime e preservar a ordem pública e apresentou alguns dados estatísticos sobre a atuação da polícia no Estado de São Paulo que, segundo ele, os homicídios no Estado de São Paulo diminuiu nos últimos anos. Em seguida a defensora pública Fabiana Zappata apresentou alguns conceitos e o histórico dos Direitos Humanos no Brasil e sua fundamentação legal. Segundo a defensora pública, as mulheres e as crianças são as mais atingidas entre as comunidades mais vulneráveis. O advogado Renato Azevedo discursou sobre a necessidade das leis para a organização da sociedade  e afirmou que "a justiça e segurança são irmãs siamesas" e que "a violência é constitutiva do ser humano". 

Maria Gorete Marques Cunha
Pesquisadora do NEVUSP
À noite, a pesquisadora do NEVUSP apresentou dados alarmantes de sua pesquisa sobre a questão da abordagem policial nos casos de flagrante. O perfil das vítimas é de jovens negros e pardos, entre 18 e 25 anos, com pouca escolaridade, com atividade remunerada precária e informal e que dependia de assistência jurídica da defensoria pública. Entre os principais tipos de violência aparecem a agressão física e verbal e ameaças com ou sem armas. Apresentou ainda uma série de tipos de abusos e violências como: uso de sprays de pimenta nos olhos e nariz, invasão de domicílio, extorsão, discriminação racial, violência sexual, obrigação de ficar  nua e ameaça de estupro, tortura, entre tantas outras. 

Débora, representante do
Movimento das Mães de Maio
Um dos momentos mais emocionantes do evento foi a participação da Débora, do Movimento das Mães de Maio, que questionou o procurador do Estado de São Paulo sobre o indeferimento dos diversos processos, das 11 vítimas do mês de maio, movidos contra o Estado de São Paulo pelas mães das vítimas. Seus depoimentos nos deu a dimensão de como os Direitos Humanos são ignorados e desrespeitados e o quanto isso é prejudicial ao desenvolvimento da nossa sociedade e do nosso país. 

Um dos pontos criticados pelos participantes foi a falta de representação dos movimentos populares de defesa dos Direitos Humanos na composição das mesas. As instituições públicas também foram muito criticadas e acusadas de repressoras e de não cumprir o seu verdadeiro papel na sociedade. 

A participação dos alunos da UNIFESP nos debates foi muito importante para suscitar uma série de questões que acometem a nossa sociedade e que precisar ser melhor discutidas em conjunto com a comunidade. 

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

CRESS/Santos apoia o lançamento do livro Mulheres Negras

O Conselho Regional de Serviço Social (CRESS), por meio da sua Coordenação Seccional na cidade de Santos, apoia o lançamento do livro sobre as Mulheres Negras, na cidade de Santos.

Da esquerda para a direita: Eu de costas e as assistentes  
sociais Silvana Marina Correia e Cíntia Neli da Silva Inácio
Em reunião realizada no último dia 13 com membros do Conselho Regional de Serviço Social (CRESS), Seccional de Santos/SP, mais uma importante etapa foi cumprida rumo ao lançamento do livro Mulheres Negras: histórias de resistência, de coragem, de superação e sua difícil trajetória de vida na sociedade brasileira.

Entre os presentes estavam as assistentes sociais Silvana Marina Correia e Cíntia Neli da Silva Inácio, membros da Coordenação Seccional de Santos e bases de Santos.

A participação do CRESS no lançamento do livro será no sentido de apoiar na divulgação da atividade. Além disso, o CRESS, por meio da sua Coordenação Seccional de Santos, se comprometeu a verificar com algumas organizações governamentais e não governamentais na cidade de Cubatão para que possamos fazer o lançamento também naquela cidade ainda este ano. 

Capa do livro
Na ocasião, apresentei a agenda com algumas datas para possíveis lançamentos na cidade de Santos e de São Paulo, além de algumas cidades no interior do Estado. Em Santos, o lançamento será realizado na data provável de 23 de novembro, no Centro Europeu de Línguas. Os detalhes serão publicados posteriormente. 

A possível data para o lançamento na cidade de São Paulo, com o apoio da Assessoria de Cultura para Gêneros e Etnias (ACGE), da Secretaria de Estado de Cultura de São Paulo, que provavelmente será no dia 22 de novembro de 2012, às 19h., na Casa das Rosas - Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura, Centro Cultural localizado na Avenida Paulista, 37, um dos últimos casarões da avenida mais movimentada do país. 

Em algumas cidades do interior de São Paulo como Barretos, Piracicaba, Araraquara e Jaú, não foram definidas nenhuma data, tendo em vista as eleições municipais que estão sendo realizadas em todo o Brasil, mas provavelmente depois do mês de novembro ou no primeiro semestre de 2013.

Da esquerda para a direita: as assistentes sociais Silvana
Mariana Correia e Cíntia Neli da Silva Inácio e eu.
Nesta mesma reunião também fui indicado pela Coordenação Seccional de Santos para representar o CRES/Santos junto ao Conselho Municipal de Políticas sobre Tabaco, Álcool e outras Drogas (COMAD), de Santos/SP.

Coloquei-me à disposição para apoiar as atividades do CRES/Santos e representar com muita dignidade e compromisso esse órgão representativo da categoria dos assistentes sociais que tem desempenhado um importantíssimo trabalho em várias frentes como a redução da jornada de trabalho dos assistentes sociais para 30 horas, entre tantas outras bandeiras de luta.

Um ótima oportunidade para reafirmar a importância do trabalho do CRESS/Santos na Região Metropolitana da Baixada Santista (RMBS). 

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Seminário Estadual de Direitos Humanos, Ética e Serviço Social: Fundamentos e Desafios


José Damião
Lima Trindade
Procurador de Justiça do
Estado de São Paulo
O Seminário Estadual Direitos Humanos, Ética e Serviço Social: fundamentos e desafios, promovido pelo CRESS-SP 9º Região/SP, em 10 de agosto no Bunkyo – Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social, no bairro da Liberdade, em São Paulo, contou com a participação de mais de 500 pessoas. O aprofundamento em questões relacionadas a dois grandes eixos foram levantadas: a perspectiva histórica dos Direitos Humanos, com a palestra do Procurador de Justiça do Estado de São Paulo, José Damião Lima Trindade, e os fundamentos críticos do Serviço Social, com a conferência da Doutora em Serviço Social, Maria Lúcia Silva Barroco.

Uma dinâmica de miniconferências deu sequência ao Seminário, com o debate de cada um dois itens principais. No âmbito dos fundamentos históricos dos Direitos Humanos foram discutidos aspectos referentes ao “Gênero e Etnia”, da qual eu participei ativamente, “Conflitos na terra e pela Terra” e “Trabalho e direitos no capitalismo”, conduzidas, respectivamente, pelas assistentes sociais: Eloísa Gabriel dos Santos, presidenta do CRESS-SP 9º Região/SP; Raquel Santos Sant’Ana, Doutora e livre docente em Serviço Social; e Maria Beatriz Costa Abramides, Doutora em Serviço Social pela PUC/SP.

Andrea Almeida Torres (a 2ª da esquerda para a direita)
e demais colaboradores do Seminário

Já as mini-conferências que permearam os fundamentos dos Direitos Humanos, com destaque para a relação com a ética profissional, abordaram assuntos ligados a “Área sociojurídica: interfaces e particularidades”, “Políticas de seguridade social” e “Violência e questão urbana”, realizadas pelas assistentes sociais Silvia Alapanian, Doutora em Serviço Social e Política Social pela PUC/SP; Marlene Merisse, Mestre em Serviço Social pela PUC/SP; e Andrea Almeida Torres, Doutora em Serviço Social pela PUC/SP. 

Neste encontro pudemos acompanhar o debate e as reflexões atuais sobre a questão dos direitos humanos, a ética e o Serviço Social e os nossos desafios frente a uma sociedade cada vez mais marcada pelas desigualdades sociais. Ficou evidente o grande desafio que nós, assistentes sociais, temos pela frente no cotidiano do nosso fazer profissional.

Dulcineia, Cintia, outra colega assistente social e Adeildo Vila Nova
Um momento oportuno para rever alguns colegas e atualizar a nossa rede de relacionamentos. Aproveitei a oportunidade para presentear minhas colegas de profissão com o meu livro, que acabou de "sair do forno" e que em breve será lançado oficialmente. Reencontrei as assistentes sociais Dulcinéia e Cíntia, que também faz parte da diretoria do Conselho Regional de Serviço Social/Sede de Santos. O final do encontro foi marcado por debates das demandas levantadas durante as palestras, além das considerações finais dos palestrantes.

__________________________________________________________________
Acesso em: 30 ago. 2012.

sábado, 8 de setembro de 2012

Adeildo Vila Nova e sua participação na comunidade DiHITT


Adeildo ViLa Nova às Vésperas do Lançamento do seu Livro Mulheres Negras tem se dedicado em tempo integral para cumprir seus compromissos.
Ele está também presente em várias redes sociais divulgando matérias e textos importantes escritos por ele ao longo da sua trajetória, assuntos que de uma forma ou de outra abrem várias discussões na comunidade.
Adeildo Vila Nova está presente no DiHITT um espaço importante para divulgação de blogs e websites e algumas postagens dele divulgadas já tem tido boa participação nesta comunidade.


Ele está no Ranking 344 de participação com 615 amigos até agora na comunidade DiHITT e suas postagens alcançado boa votação por amigos e participantes nos primeiros dias de inscrição.




Na sua matéria Políticas públicas para promoção da igualdade racial por exemplo; teve a reação  de Almir Ferreira  membro da comunidade DiHITT que expôs sua  opnião sobre este assunto que para alguns é ainda polêmico.


Aguardemos então que Adeildo Vila Nova responda  ao cumprir sua agenda, à todos membros da comunidade estas questões e dúvidas que naturalmente irão surgindo quanto a sua exposição pública cada vez mais evidente, expondo como sempre fez, seu ponto de vista de forma plausível.





terça-feira, 4 de setembro de 2012

Adeildo Vila Nova e os 10 anos da AFROSAN


Adeildo Vila Nova é atualmente é primeiro tesoureiro e coordenador das aulas de Cidadania do Curso Pré-Vestibular da AFROSAN - Associação Cultural dos Afro-Descendentes da Baixada Santista.


Trabalhou como assistente de coordenador - Coordenadoria de Promoção da Igualdade Racial e Étnica - COPIRE, Ex-conselheiro municipal do Conselho da Comunidade Negra de Santos/SP, pós-graduando latu sensu/especialização/MBA em Gestão de Pessoas pela UNIMONTE.



A AFROSAN foi criada no ano de 2002 (Associação Cultural dos Afrodescendentes da Baixada Santista), entidade que tem como finalidade resgatar, fomentar e incentivar a participação da comunidade negra e outras etnias no contexto sócio-político da Baixada Santista,e este ano completou 10 anos.



Ela desenvolveu o curso de pré-vestibular para afrodescendentes e carentes, que tinha como propósito capacitar jovens para o vestibular em universidades públicas. Era desenvolvido por monitores e professores voluntários, tendo enorme repercussão do público e da imprensa local.


segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Moradores de Santos discutiram os rumos da cidade


No dia 14 de junho de 2012 Moradores de Santos discutiram os rumos da cidade



Cerca de 50 pessoas participaram da oficina Desafios para o Desenvolvimento Sustentável de Santos, promovida pelo projeto Litoral Sustentável no dia 12 de junho,realizado no Atlântico Hotel.
Estiveram presentes representantes de associações e de movimentos de moradores de diversos bairros da cidade, sindicatos e ONGs atuantes em diferentes áreas.

Sobre este importante acontecimento Adeildo Vila Nova disse:


Prezados(as),29 de junho de 2012 às 22:57

Foi com muita alegria que me deparei com esta notícia. Pena que só fiquei sabendo agora que o evento já passou, mas com certeza terão outros.
Penso que a Baixada precisa de um olhar diferenciado e qualificado sobre este momento de desenvolvimento econômico tão importante pelo qual passa. Infelizmente o desenvolvimento social não tem acompanhado esse desenvolvimento econômico.
Por isso a importância de oficinas como estas. Acompanho o trabalho do Instituto Pólis e fico muito feliz que estejam realizando um trabalho tão importante como este aqui na Baixada Santista.
Me coloco à disposição para contribuir no que for preciso. Sou assistente social na prefeitura de Santos e pós-graduando (MBA/Especialização) em Gestão de Pessoas. Sou diretor-fundador e professor voluntário d Educação para a Cidadania de uma organização não governamental, a Associação Cultural dos Afro-Descendentes da Baixada Santista (AFROSAN) que, em parceria com outros voluntário e com a secretaria municipal de educação de Santos, realiza um curso pré-vestibular para negros e carentes da Região Metropolitana da Baixada Santista (RMBS). Maiores informações no site http://www.afrosan.org.br.

Tentarei participar de alguma das próximas oficinas que acontecerão aqui na Baixada Santista. Também farei o possível para participar do seminário sobre os desafios e avanças da participação cidadã que acontecerá no próximo dia 4 de julho.

Por enquanto contribuirei compartilhando essas informações na minha página do Facebook.

Um grande abraço a todos e a todas!!!


Em resposta a Adeildo Vila Nova Litoral Sustentável disse:

as 2 de julho de 2012 às 17:58

Olá Adeildo, uma boa tarde!
Primeiramente obrigado pelas informações! Vamos conhecer o site da Afrosan e esperamos vocês nas próximas reuniões agendadas na Baixada Santista.
Em breve publicaremos a agenda das Devolutivas do Diagnóstico feito na Baixada. Então não se preocupe, vocês terão a oportunidade de comparecer na reunião em Santos mesmo.
Acompanhe nosso site que logo mais publicaremos o calendário das devolutivas em todas as cidades participantes do Projeto Litoral Sustentável.